Foto: Reprodução
Sábado, 13 de abril de 2019 - 09:01:09
Casos de miopia aumentam sob alerta de que o estilo de vida das crianças tenha relação com a epidemia
SAÚDE
OMS estima que, em 2050, mais da metade da população mundial seja afetada pelo problema Por G1

Os médicos andam preocupados e é bom você também ficar atento: o aumento dos casos de miopia já alcançou o patamar de epidemia em alguns países, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade prevê que, em 2020, cerca de 35% da população mundial esteja sofrendo com o problema e, em 2050, o número possa alcançar 52%. No sudeste da Ásia, estima-se que 90% dos jovens sejam míopes.

 

 

Essa alteração refracional que prejudica a visão de longe era vista até pouco tempo como um problema de causa exclusivamente hereditária - ou seja, não havia muito o que fazer para combatê-lo. Mas hoje a comunidade científica já pode afirmar que nosso estilo de vida também contribui (e muito) para espalhar esse mal.

A miopia, conforme explica o oftalmologista Guilherme Diehl, do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre, está relacionada a um aumento no tamanho do órgão. “É um erro refracional que ocorre quando o olho cresce demais. A refração não ocorre em cima da retina, como deveria ser, mas antes dela, deixando a visão de longe embaçada. É um problema que surge ainda na infância ou na adolescência”, afirma.

Além de ter a visão borrada para objetos distantes, ser míope aumenta o risco de problemas como descolamento de retina e degeneração macular, que pode levar à cegueira.

As causas do aumento de casos de miopia geram muitas dúvidas entre os cientistas, mas já se sabe que há uma relação direta com o fato de as crianças passarem menos tempo em ambientes abertos.

“Nossas crianças vivem fechadas, brincam pouco do lado de fora. Além disso, ficam cada vez mais tempo com os olhos voltados para telas de smartphone, tablet ou televisão”, alerta a oftalmologista Tania Schaefer, da Sociedade Brasileira de Oftalmologia.

Permanecer muitas horas em ambientes fechados é prejudicial não somente pela falta de estímulo à visão de longe, mas também pela ausência de luz solar: ela auxilia a produção de dopamina, hormônio que ajuda a controlar o crescimento do olho.

Além disso, estudos mostram que a melatonina, o hormônio do sono, também é importante para manter o tamanho do olho saudável. Não respeitar o ciclo circadiano (de dia e noite, luz e escuridão) e não dormir o suficiente também podem favorecer o aparecimento de miopia.

 

“São fatores combinados que estão criando essa epidemia. No Brasil, ainda não temos índices que assustam (são 35 milhões de brasileiros míopes, estima o Ministério da Saúde) pois somos um país que geneticamente tem o olho pequeno, mas está havendo uma reversão e isso nos deixa muito preocupados” - Tania Schaefer, da Sociedade Brasileira de Oftalmologia

 

 

E tem como prevenir?

 

A boa notícia é que quase todas as prováveis causas da miopia são evitáveis - exceto, claro, os casos de origem genética. A chave para conter o avanço do problema parece estar em permanecer mais tempo em ambientes abertos.

“Recomenda-se que as crianças passem pelo menos uma hora ou uma hora e meia por dia brincando do lado de fora da porta”, aconselha a oftalmologista Tania Schaefer.

Outro fator importante, ressalta o oftalmologista Guilherme Diehl, é limitar o tempo de uso das telas. “É cientificamente comprovado que a luz azul emitida pelos aparelhos eletrônicos é tóxica para a retina”, diz.

 

Os cuidados na infância

 

O que pode ser feito para reduzir as chances de miopia nas crianças:

 

  • Estimule brincadeiras e atividades ao ar livre. Uma hora por dia é o mínimo recomendado para evitar a miopia
  • Limite o uso de aparelhos como smartphones, tablets e televisores. A Academia Americana de Pediatria chega a estipular o tempo de exposição ideal para o início da infância. Segundo a entidade, bebês não devem ter contato com eletrônicos. Para crianças de dois a cinco anos, a entidade recomenda no máximo uma hora por dia em frente à tela
  • Ensine as crianças a não usar os aparelhos eletrônicos antes de dormir. Eles devem ser desligados pelo menos uma hora antes de deitar na cama
  • Não instale equipamentos como televisão e computador no quarto da criança e não permita que ela durma com tablet ou smartphone por perto

 

Texto/Fonte: