Foto:
Quinta, 11 de abril de 2019 - 16:41:23
De cada R$ 100 arrecadados em MT, R$ 75 são para pagar servidores
GERAL
Segundo o Governo, o valor representa crescimento de 678% com a folha salarial nos últimos 15 anos.

O governador Mauro Mendes (DEM) divulgou durante reunião com os deputados estaduais, na quarta-feira (10), um estudo apontando que de cada R$ 100 arrecadados em Mato Grosso, R$ 75 vão para quitar a folha salarial de todos os poderes. O valor é R$ 15 a mais do que registrado em 2017.

De cada R$ 100 arrecadados em MT, R$ 60 são gastos com salários de servidores

A informação que está na planilha elaborada pelo Governo mostra ainda que nos últimos 15 anos a arrecadação aumentou 342% enquanto o gasto com a folha saltou para 678%.

"É por isso que nossas escolas estão em situação precária, nossa saúde sucateada e se não invertemos essa lógica, não aumentarmos a nossa arrecadação e tivermos mais dinheiro para investir naquilo que realmente importa ao cidadão, dificilmente as coisas vão mudar", argumentou o Mauro.

“Ou seja, praticamente dobrou o crescimento da folha e isso explica, um pouco, a situação de dificuldade falta de capacidade de investimento que o Estado tem hoje para prestar serviço minimamente com dignidade ao cidadão. Hoje, de cada R$ 100 arrecadado em Mato Grosso, R$ 75 vão para pagar folha de pagamento de todos os poderes. É por isso que nossas escolas estão em situação precária, nossa saúde sucateada e se não invertemos essa lógica, não aumentarmos a nossa arrecadação e tivermos mais dinheiro para investir naquilo que realmente importa ao cidadão, dificilmente as coisas vão mudar”, argumentou o Mauro.

Para evitar o crescimento da folha em 2019, o governador declarou que desde o início da gestão iniciou uma série de medidas para enxugar a máquina, além de controlar gastos. Citou como exemplo a aprovação da lei de responsabilidade fiscal estadual, a mudança na tributação do novo Fethab, entre outras.

Na mensagem enviada para análise e aprovação da Assembleia Legislativa em janeiro passado, o Governo já havia destacado que as despesas com pessoal foram as que mais evoluíram nos últimos 15 anos. Entre os anos de 2003 e 2017, o Estado viu os gastos com folha salarial saltarem de R$ 1,6 bilhão para R$ 11,7 bilhões.

No mesmo período, segundo o documento, o Estado partiu de uma receita corrente líquida de R$ 3,9 bilhões para R$ 15,1 bilhões. No entanto, pelos números, há um claro descompasso entre o crescimento da receita com o gasto com pessoal. Mas ainda assim, o Estado alcançou arrecadação superior à inflação aferida no período.

Na justificativa do projeto, o Executivo destaca que as despesas com pessoal cresceram em patamar completamente desproporcional, ultrapassando a inflação em 560% e o crescimento das receitas em 243%.

À época, Mauro culpou os servidores inativos (aposentados e pensionistas) pelo crescimento desordenado da folha e o endividamento do Estado para a realização da Copa do Mundo.

Com o argumentou conseguiu aprovar a LRF estadual, novas regras para concessão da Revisão Geral Anual (RGA) e o novo Fethab.

Texto/Fonte: