Foto: RepórterMT/Reprodução
Segunda, 11 de novembro de 2019 - 10:32:58
Delegado diz que assassino de engenheira dirigia caminhonete emprestada
POLÍCIA / CRIME BANAL
A caminhonete foi encontrada abandonada em um região de mata pela Polícia Militar na manhã de domingo (11).

Jackson Furlan, acusado de matar a engenheira Júlia Barbosa de Souza, de 28 anos, na madrugada de sábado (09), dirigia uma caminhonete Toyota Hilux emprestada, no momento do crime. O caso aconteceu em Sorriso (397 km de Cuiabá), devido por causa de uma freada brusca no trânsito. 

As informações foram dadas pelo delegado André Ribeiro, em coletiva de imprensa, na manhã desta segunda-feira (11).

“É de outra pessoa. Pessoa de bem que emprestou a caminhonete para ele naquele dia, para que fosse trabalhar. Não há justificativa para tirar a vida de uma menina jovem e trabalhadora”, explica o delegado.

Jackson se entregou no início da noite domingo (10), na Delegacia de Polícia Civil do município. No entanto, o assassino permaneceu em silêncio, por decisão de seu advogado, durante o interrogatório. Ele está preso de maneira preventiva.

Leia mais: Acusado de matar engenheira em 'briga' de trânsito se entrega à polícia

O caso

O crime foi motivado por um “estresse” no trânsito. Júlia e seu namorado passaram numa conveniência para comprar chocolate. Ao saírem do local, transitavam em uma via e acabaram freando para evitar uma batida contra a traseira de um Volkswagen Gol.

Devido a esse movimento brusco, a Hilux em que estava à vítima fechou a caminhonete que vinha logo atrás, o que teria irritado Jackson. A partir desse momento, Júlia e o namorado passaram a ser perseguidos pelo acusado.

Em determinado momento, ele alcançou o veículo e atirou nas vítimas, acertando a cabeça da jovem.

Em diligências, a Polícia Militar (PM) encontrou a Hilux abandonada numa região de mata próximo ao Bairro Rota do Sol, em Sorriso.

Os policiais chegaram ao local por meio de denúncias de moradores da região. O carro estava a cerca de 40 km de uma entrada vicinal.

Eles consultaram a placa no sistema, mas não constava como veículo furtado ou roubado. Através de informações e imagens de vídeo do homicídio ocorrido no sábado, os policias constataram que tinha as mesmas características. 

Dentro da caminhonete foram apreendidos documentos e um envelope de depósito bancário, sem dinheiro.

O veículo foi retirado do local por um guincho.

Texto/Fonte: RepórterMT