Foto: Divulgação
Terça, 15 de maio de 2018 - 08:08:54
Em conversa, advogado comemora "trabalho" para deputado preso em MT
Fala muito
Advogado disse que isso permitia que ele tivesse acesso ao andamento das investigações

O Ministério Público Estadual (MPE) apontou no inquérito que resultou na deflagração da segunda fase da Operação Bereré, chamada de Operação Bônus, que o advogado Pedro Jorge Zamar Taques teria comemorado o fato de seu escritório estar trabalhando para o deputado estadual Mauro Savi (DEM), também investigado no mesmo caso. Este fator possibilitaria que Pedro e o irmão Paulo Taques, advogado e ex-secretário da Casa Civil de Mato Grosso, tivessem "informações" sobre o andamento das investigações de um esquema de fraudes que teriam desviado cerca de R$ 30 milhões dos cofres públicos do Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

Pedro Jorge Taques é primo do governador Pedro Taques (PSDB), também é advogado e seu escritório até então atuava na defesa de Mauro Savi. Pedro Jorge atua juntamente com seu irmão, o ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

Foi com Paulo Taques, inclusive, que o deputado foi ao Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), quando prestou depoimento, na primeira fase da operação. Os três foram presos na segunda fase.

Em uma conversa gravada pelo dono da EIG Mercados (antiga FDL Serviços), José Henrique Ferreira Gonçalves, Pedro Jorge Zamar Taques comemora o fato de seu escritório estar advogando para Mauro Savi. Segundo o MPE, ele chega a ponderar que isso inclusive é uma situação antagônica.

De acordo com o Gaeco, Pedro Jorge Taques comemorou o fato, tendo em vista que isso possibilitaria que ele pudesse acompanhar “diariamente” o andamento das investigações. Ele, confidencia ao empresário que José Kobori teria apresentado uma defesa "muito boa" na primeira fase.

Ainda na conversa feita pelo telefone, Pedro Jorge parece preocupado e também questiona o empresário sobre o teor de algumas declarações prestadas por José Henrique nas investigações e pergunta se são verdadeiras as notícias veiculadas pela imprensa na ocasião sobre uma possível colaboração premiada firmada por ele. Com a deflagração da segunda fase da Operação Bereré, Mauro Savi dispensou o escritório de Pedro Jorge Taques e Paulo Taques.

Atualmente, a defesa do parlamentar é feita pelo escritório de Paulo Fabriny Medeiros.

Texto/Fonte: Folhamax