Foto: Muvuca Popular
Quinta, 20 de outubro de 2016 - 08:58:22
Irmão de Wilson obedece Taques e coage servidores; Governador manda exonerar para tirar o seu da reta
PSDB em ação
Estamos querendo a cassação da candidatura e a punição por improbidade administrativa

O candidato à Prefeitura de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) denunciou o uso do poder político do governo do estado ppor coagir servidores comissionados a comparecerem numa reunião política do candidato Wilson Santos. A prova cabal do crime veio na forma de um áudio onde o irmão do candidato, exigia o comparecimento de todos num evento no Hotel Fazenda Mato Grosso, que pertence ao futuro chefe da Casa Civil, Luiz Carlos Nigro.

No áudio, Elias diz que a ordem de 'recrutar' servidores para uma reunião política teria partido do governador Pedro Taques (PSDB). E aquele que não comparecesse, iria ser exonerado no dia seguinte. "O governador Pedro Taques convocou todos os cargos comissionados para uma reunião hoje, às 20h, no Hotel Fazenda Mato Grosso. Eu vou ser curto e grosso, aquele que não for será exonerado no outro dia. Eu não estou de brincadeira. Me descumprem em falar desta forma. Ao chegarem no hotel me mandem uma mensagem para avisar. Eu vou estar lá". 

O assessor jurídico da campanha peemedebista, o advogado Nestor Fidélis, disse que a denúncia foi encaminhada ao Ministério Público Eleitoral para  abrir investigação e que exija da justiça a anulação da candidatura do Wilson Santos.  "Estamos querendo a cassação da candidatura e a punição por improbidade administrativa.", pontua. 

Emanuel Pinheiro relatou que inicialmente recebeu o áudio de um servidor indignado com a situação. Depois, segundo ele, outros servidores também encaminharam o mesmo áudio para ele denunciando a coação por parte de Elias Santos.

“Um atentado à democracia, uma verdadeira ameaça à liberdade de expressão, à dignidade da pessoa humana no exercício da cidadania dos nossos servidores públicos comissionados do estado de Mato Grosso”, disse Pinheiro.

O peemedebista enfatizou que há algum tempo ele vem denunciado “as constantes ameaças ilegítimas, criminosas de secretários e agentes públicos contras servidores em especial aos comissionados em relação á liberdade de expressão”. Para ele, tal fato configura em crime eleitoral.

Outro lado

O governo confessou que o áudio é verídico, tanto que mandou demitir Elias Santos, para a apurar a conduta de suposta infração eleitoral. O governo tenta minimizar a questão, mas as denúncias que o Muvuca Popular vem recebendo é que essas ameaças estão partindo de todas as secretarias.

A exoneração do irmão do candidato a prefeito de Cuiabá será publicano nesta quinta-feira (20). O governador disse ainda que atua em consonância com a legislação eleitoral.

Texto/Fonte: MTUOL com Muvuca Popular