Foto:
Terça, 12 de dezembro de 2017 - 10:26:47
STJ nega autorização para major em MT passar um mês em Portugal em batizado
Negado
Ferronato teria oferecido promoção a um tenente coronel, que é delator da Operação Esdras

O ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça, negou um pedido feito pela defesa do major da Polícia Militar, Michel Ferronato, de viajar para Portugal durante o mês de dezembro e janeiro. O militar alegou que o motivo da ida seria o batizado de sua filha.

De acordo com o pedido, Ferronato viajaria nesta quarta-feira, dia 13, e voltaria somente no dia 12 de janeiro de 2018. Mauro Campbell negou o requerimento alegando que não havia confirmação da realização do batismo, nem comprovação de que o militar ficaria no endereço informado.

Ele foi um dos alvos da "Operação Esdras", deflagrada em outubro, e hoje está solto cumprindo medidas restritivas. “Ademais, o ora requerente não demonstrou que houve a efetiva confirmação do alegado batizado. Isso porque consta a informação de que existe a possibilidade de celebrar o batismo no dia 23 de dezembro às 17h30. Ou seja, não foi juntada a efetiva confirmação da data do evento. Além disso, não houve qualquer comprovação acerca do indicado endereço aonde afirma que permanecerá em Lisboa. O requerente apenas limitou-se a informá-lo na petição, sem apresentar qualquer documento referente à estadia”, pontuou o ministro, na decisão.

Investigado por envolvimento no "Escândalo dos Grampos" em Mato Grosso, Ferronato foi preso durante a operação Esdras, em 27 de setembro. Ele teve a prisão preventiva convertida em prisão domiciliar em 31 de outubro, com determinação para se manter afastado de órgãos do governo e de servidores públicos.

Ferronato foi detido por ordem do desembargador Orlando Perri de Almeida. Ele é acusado de oferecer promoção militar ao tenente coronel José Henrique Costa Soares, que é o delator de um suposto esquema de arapongagem para gravar Perri e o torná-lo suspeito para analisar os processos relacionados a "Grampolândia Pantaneira".

Texto/Fonte: Folhamax